quinta-feira, 23 de março de 2017

ISH Frankfurt


Eu fui na maior mostra a respeito da água e energia do mundo e não poderia deixar de compartilhar minhas impressões a respeito.


A ISH Frankfurt é um evento bienal que ocorreu na ultima semana de 14 a 18 de março em Frankfurt na Alemanha.

O slogan da ISH 2017 “Água, Energia, Vida” reflete claramente o foco da convenção que aborda a sustentabilidade em soluções inovadoras para design de peças de banheiros, novas tecnologias para os sistemas utilizados no edifício, captação e uso de energia eficiente, renovável e ambientalmente amigável, tanto para aquecimento quanto refrigeração.

Mais de 2.400 expositores de 62 países do mundo inteiro se espalharam por uma área de 260.000m² do Messe Frankfurt, o centro de convenções da cidade, através de 22 níveis diferentes. Um mundo de altos e baixos, corredores e rampas rolantes, por onde passaram mais de 200.000 visitantes. Diariamente um formigueiro de pessoas, engravatadas ou não, falando diversas línguas, todos interessados em conhecer e assimilar o máximo possível daquele banquete de tecnologia e avanço que estava sendo patrocinado pela simpatia dos alemães. Um povo amigável, alegre e extremamente organizado.



Ficou evidente a preocupação com a questão da água e da energia para o futuro. Sob o tema “A revolução tecnológica para um futuro brilhante – nós temos as soluções” os expositores demonstravam uma visão dos modernos sistemas domésticos onde as soluções tem que passar obrigatoriamente pela eficiência energética, tanto quanto pelos aspectos como design, saúde , bem estar e conforto.

Apenas a respeito das problemáticas ligadas ao banheiro, responsável por 65% do gasto de água de uma residência, 5 pisos de toda uma ala denominada “A Experiência do Banheiro” demonstrava novos materiais desenvolvidos para a fabricação das peças sanitárias, torneiras, chuveiros e sistemas de descarga economizadores de água. Tudo isso com destaque para o design e o bom gosto numa concepção mais minimalista e clean. Mais uma vez o lema “Menos é Mais” de Mies van der Rohe se aplica perfeitamente.

Nós aqui do Brasil, permanecemos com a sensação de que estamos há anos luz de distancia do resto do mundo, andando na contramão dos interesses gerais, rumo a um futuro sem água e pagando cada vez mais caro pela nossa energia. Ainda mais nós, que temos o privilégio de contar com esse sol maravilhoso durante o ano inteiro e nossos ventos poderosos, fontes de energia sem fim. Mesmo assim continuamos à mercê de políticas publicas que não incentivam nem o uso nem a inovação que nos permita aproveitar todo esse potencial do nosso país.

Fiquei muito impressionada com o que vi.
Vou tentar nos próximos posts me detalhar mais a respeito desse aspectos relacionados à água e a energia aplicada aos banheiros que vi e aprendi.
Apenas lamento o pouco tempo que tive. Gostaria de ter tido oportunidade de aprender mais.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Estadio de Futebol em Madeira


Cerca de 50 projetos de arquitetos vindos não apenas da Inglaterra como também de outras partes do mundo como Suécia, Alemanha, França e Estados Unidos, foram analisados para o concurso de projetos do novo estádio de futebol para o time inglês Forest Green Rovers com Eco Park.

Como o próprio nome do time diz, Dale Vince, o fundador e presidente do clube de futebol enfatiza que queriam um projeto Green, onde fossem utilizadas técnicas sustentáveis, com materiais mais naturais e de baixo carbono.

O projeto vencedor foi o de Zaha Hadid todo construído em madeira. É a primeira vez no mundo que se constrói uma estrutura como essa em madeira.

O novo estádio se localizará em Gloucestershire, Inglaterra, com capacidade para inicialmente 5.000 pessoas que posteriormente pode ser aumentada para 10.000 sem grandes custos de obras.

A cobertura do estádio será feita com uma membrana transparente que administra as sombras para os jogadores e para a assistência além de reduzir o impacto volumétrico na paisagem.

A proposta também inclui o desenvolvimento de uma reserva natural no local, um centro de transportes públicos bem como pretende ajudar na restauração do canal Stroudwater.

Metade do Eco Park será composta pelo estádio, com instalações desportivas, grama, instalações multi disciplinares, campos de treino totalmente acessíveis para o público além de uma área para desenvolvimento da ciência do esporte.

A outra metade será um parque empresarial de tecnologia verde, com escritórios comerciais, construídos de forma sustentáveis, para unidades de industrias leves. Tudo isso tem o potencial de criar até 4000 postos de trabalho.

Para o escritório de Arquitetura ZHA, o projeto levou em conta a bucólica paisagem de prado local, com características de pastoreio, mas que vem acrescentar e contribuir para outras funções na cidade, através dos usos recreativos e profissionais, não só para os dias de jogos mas em todos os dias do ano.

O Novo estádio pretende ser neutro em carbono ou carbono negativo, com medidas de geração de energia renovável.

Incorporando métodos de construção de baixo carbono, a madeira utilizada é toda de origem sustentável, incluindo a estrutura, vigas de cobertura e revestimento com persianas. A madeira é material altamente resistente e bonito, que quando trabalhada da maneira correta pode permitir a execução de grandes estruturas, como até os assentos nos terraços. Na maioria dos outros estádios esses elementos são de concreto ou de aço.







Fonte: Zaha-Hadid, BBC, Archdaily

2leep.com